12 Músicas, 42 minutos

NOTAS DOS EDITORES

Título do 34º álbum da discografia da cantora Elza Soares, Planeta Fome é uma referência à sua primeira experiência nos palcos, nos anos 50, durante o programa de calouros de Ary Barroso, na TV Tupi. "O Ary me perguntou: 'De que planeta você veio, minha filha?'. Respondi: 'Do Planeta Fome, seu Ary'". Seis décadas depois, aos 82 anos, a produção musical de Elza segue criativa, prolífica e reflexiva. "Na época, eu achava que essa fome era só de comida. Com o passar dos anos, vi que tenho fome de tudo: de cultura, de saúde, de respeito, de amor." Confira o faixa a faixa comentado pela cantora:

"Libertação"
"Ah, esta música é muito forte. Recebi a composição do Russo [Passapusso] e veio com uma força, sabe? Falei: 'É comigo mesmo!'. É uma canção muito bonita, libertação geral mesmo."

"Menino"
"É uma brincadeira minha, mas uma brincadeira séria. Nos tempos em que eu vivia carregada de sofrimento, tinha uns meninos que brigavam muito na rua, um jogando pedra no outro, queriam se machucar. E aquilo me doía muito, ver aqueles meninos brigando. Um dia, disse para eles: 'Venha cá, menino, não faça isso não/sei que é muito triste na sua casa não ter pão'. Foi daí que surgiu a inspiração para essa música."

"Brasis"
"Sou muito brasileira, sou brasileira demais. Às vezes, até me machuco por ser tão brasileira. Esta música é Brasil, e o Brasil é comigo mesmo. É uma música muito bonita e muito forte, é nossa identidade."

"Blá Blá Blá"
"A gente escuta muito blá blá blá hoje, né? Fui aqui e ali, entrosando algumas músicas, e nasceu esta. O Pedro [Loureiro] canta nesta música, gosto muito da voz dele. E o BNegão também. A gente sabe como ele é, né? Um negão forte."

"Comportamento Geral"
"É isso aí: está faltando tudo, e está todo mundo feliz. Todo mundo feliz, e está faltando tudo. Tema alguma coisa errada, né?"

"Tradição"
"Ah, essa música é uma beleza. 'Desconsidere a razão, desobedeça o coração'. Esta música é linda, linda, linda. Uma paixão minha."

"Lírio Rosa"
"É uma canção de amor. O tempo todo eu falo em amor. E nós estamos muito necessitados de amor. Esta música é uma bênção, uma coisa linda que foi feita para eu cantar. O Pedro [Loureiro] compôs esta música pra mim! Lindo lírio rosa. Apaixonante."

"Não Tá Mais de Graça"
"Esta é para mostrar que a carne preta não está mais de graça, não. Não está mais à toa. Gosto muito desta música. O que não valia nada, hoje vale uma tonelada. Uma letra muito forte, uma mensagem importante."

"País do Sonho"
"É o país que queremos ter. 'Eu preciso encontrar um país onde a saúde não esteja doente'. Porque, por enquanto, nosso país está doente. Muito doente."

"Pequena Memória Para Um Tempo Sem Memória"
"Acho que nós estamos perdendo a memória. Ou já perdemos há muito tempo. E não estamos entendendo isso. Gente, presta atenção! Nós estamos sem memória, nossa história está perdida."

"Virei o Jogo"
"É o meu caso, é a história da minha vida. Estou sempre virando o jogo. 'Você vem de não, eu vou de sim. Afirmação até o fim'. Isso aí é muito Elza."

"Não Recomendado"
"Hoje temos uma vitória. Homofobia é crime. Hoje é crime, meu bem. Vamos nos livrar disso."

NOTAS DOS EDITORES

Título do 34º álbum da discografia da cantora Elza Soares, Planeta Fome é uma referência à sua primeira experiência nos palcos, nos anos 50, durante o programa de calouros de Ary Barroso, na TV Tupi. "O Ary me perguntou: 'De que planeta você veio, minha filha?'. Respondi: 'Do Planeta Fome, seu Ary'". Seis décadas depois, aos 82 anos, a produção musical de Elza segue criativa, prolífica e reflexiva. "Na época, eu achava que essa fome era só de comida. Com o passar dos anos, vi que tenho fome de tudo: de cultura, de saúde, de respeito, de amor." Confira o faixa a faixa comentado pela cantora:

"Libertação"
"Ah, esta música é muito forte. Recebi a composição do Russo [Passapusso] e veio com uma força, sabe? Falei: 'É comigo mesmo!'. É uma canção muito bonita, libertação geral mesmo."

"Menino"
"É uma brincadeira minha, mas uma brincadeira séria. Nos tempos em que eu vivia carregada de sofrimento, tinha uns meninos que brigavam muito na rua, um jogando pedra no outro, queriam se machucar. E aquilo me doía muito, ver aqueles meninos brigando. Um dia, disse para eles: 'Venha cá, menino, não faça isso não/sei que é muito triste na sua casa não ter pão'. Foi daí que surgiu a inspiração para essa música."

"Brasis"
"Sou muito brasileira, sou brasileira demais. Às vezes, até me machuco por ser tão brasileira. Esta música é Brasil, e o Brasil é comigo mesmo. É uma música muito bonita e muito forte, é nossa identidade."

"Blá Blá Blá"
"A gente escuta muito blá blá blá hoje, né? Fui aqui e ali, entrosando algumas músicas, e nasceu esta. O Pedro [Loureiro] canta nesta música, gosto muito da voz dele. E o BNegão também. A gente sabe como ele é, né? Um negão forte."

"Comportamento Geral"
"É isso aí: está faltando tudo, e está todo mundo feliz. Todo mundo feliz, e está faltando tudo. Tema alguma coisa errada, né?"

"Tradição"
"Ah, essa música é uma beleza. 'Desconsidere a razão, desobedeça o coração'. Esta música é linda, linda, linda. Uma paixão minha."

"Lírio Rosa"
"É uma canção de amor. O tempo todo eu falo em amor. E nós estamos muito necessitados de amor. Esta música é uma bênção, uma coisa linda que foi feita para eu cantar. O Pedro [Loureiro] compôs esta música pra mim! Lindo lírio rosa. Apaixonante."

"Não Tá Mais de Graça"
"Esta é para mostrar que a carne preta não está mais de graça, não. Não está mais à toa. Gosto muito desta música. O que não valia nada, hoje vale uma tonelada. Uma letra muito forte, uma mensagem importante."

"País do Sonho"
"É o país que queremos ter. 'Eu preciso encontrar um país onde a saúde não esteja doente'. Porque, por enquanto, nosso país está doente. Muito doente."

"Pequena Memória Para Um Tempo Sem Memória"
"Acho que nós estamos perdendo a memória. Ou já perdemos há muito tempo. E não estamos entendendo isso. Gente, presta atenção! Nós estamos sem memória, nossa história está perdida."

"Virei o Jogo"
"É o meu caso, é a história da minha vida. Estou sempre virando o jogo. 'Você vem de não, eu vou de sim. Afirmação até o fim'. Isso aí é muito Elza."

"Não Recomendado"
"Hoje temos uma vitória. Homofobia é crime. Hoje é crime, meu bem. Vamos nos livrar disso."

TÍTULO DURAÇÃO

Mais de Elza Soares