13 Músicas, 43 minutos

NOTAS DOS EDITORES

O produtor e DJ Mark Ronson conta sobre a essência de seu quinto álbum para o Apple Music: "Honestidade, desgosto, amor, luxúria e euforia: esses conceitos estão em muitas músicas que eu amo, mas nunca foi algo que tentei em meus próprios trabalhos. Quando mergulho no universo de outros artistas, seja lá quem for — Queens of Stone Age ou Gaga, começo a trabalhar profundamente, mas meus próprios álbuns são normalmente material de colecionador ou feitos para animar as pistas de dança”. Mas, logo após uma separação, Ronson conseguiu reunir novamente um elenco típico de colaboradoras, incluindo Miley Cyrus, Lykke Li e Alicia Keys, para realizar sessões em Nova York e Los Angeles abordando temas pessoais que, em álbuns anteriores, teriam passado batido. "Foi a primeira vez em que eu me vi impossibilitado de me esconder atrás de um conceito", disse ele. “Não, não, você terá que se colocar na música agora”. Confira as histórias por trás de cada faixa.

 "Late Night Prelude"
“Para manter a minha própria sanidade, todo trabalho que realizo tem que ter um posicionamento, algo grandioso, que seja capaz de englobar o álbum todo. David Campbell, o arranjador de cordas, criou este belo arranjo inspirado na Love Unlimited Orchestra, de Barry White - um pouco mais lento e psicodélico, que começa logo em..."
 
 "Late Night Feelings" (feat. Lykke Li)
"Essa foi a primeira música que floresceu e que realmente parecia estar apontando o caminho para o tema do álbum. Comecei a trabalhar com uma escritora chamada Ilsey Juber, que conheci através do Diplo. Ela concebeu o primeiro verso, nessa pegada melódica. Então, quando considerávamos quem deveria cantá-la, ela disse: ‘Acho que Lykke se encaixaria perfeitamente.' Ela estava finalizando o álbum da artista, So Sad So Sexy. Na verdade, Lykke apareceu com aquela letra; eu adorei o nome do álbum pois, em vez de chamá-lo de Club Heartbreak entre outras coisas que estávamos sugerindo, sentimentos noturnos são mesmo capazes de lhe tirar o sono. Pode ser desgosto, luxúria, amor, o Brexit, ou qualquer outra coisa".

"Find U Again" (feat. Camila Cabello)
"Há dois anos atrás, quando eu estava trabalhando com Kevin Parker e fazíamos parcerias com DJs em alguns shows, estávamos brincando com alguns conceitos e ele tinha essa ideia de melodia e os acordes. Quando não conseguimos concluir nossas experimentações, já que ele estava voltando para Perth para trabalhar no álbum do Tame Impala, eu perguntei se podia terminar a música e usá-la em meu álbum. Era uma ideia tão grandiosa e forte que eu queria guardá-la até que eu encontrasse a pessoa perfeita para ela - Camila Cabello. Ela é uma grande estrela pop, e eu às vezes pensava 'Ah, essa galera não vai querer trabalhar comigo'. Mas, mesmo assim, eu enviei uma faixa para ela, e ela adorou. Ela foi no estúdio e escreveu a letra. Eu fiquei muito impressionado com a seriedade que Camila trabalhava e a sua dedicação em cada tomada. Geralmente na música pop, as pessoas cantam o refrão uma vez e depois o repetem umas três vezes".

"Pieces of Us"
"King Princess trabalha na Zelig (a gravadora de Ronson) e ela faz de tudo um pouco. Eu aparecia de vez em quando e dava minha opinião, mas ela é de poucas palavras. Ela faz algo muito especial: música levemente emotiva, sonhadora, etérea, pegando mais leve na bateria e no ritmo. Eu queria preservar isso; foi provavelmente o tempo mais longo que eu já esperei para fazer o arranjo de bateria e de baixo em uma música. Ela continuava me trazendo várias músicas, já que ela é muito inteligente, prolífica e capaz de escrever uma boa música em sete minutos. E eu tinha que agir como um pai exigente: 'Ainda não está bom o suficiente, continue trabalhando'. Este álbum precisava tender um pouco para o lado emocional, entende?"

“Knock Knock Knock”/“Don't Leave Me Lonely”/“When U Went Away”
“Essas são todas músicas da YEBBA. Nos próximos dois anos, quando todo mundo descobrir seu trabalho, vai ser uma loucura. Eu adorei a ideia de lhe dar espaço para que tivesse sua própria trilogia no álbum: 'Don't Leave Me Lonely', que talvez seja o núcleo emocional da obra, está entre esses dois interlúdios que contam uma história: 'Knock Knock Knock' é a música de conexão, tem um pouco de flerte. Don't Leave Me Lonely’ vai na levada romântica 'Não me deixe sozinho esta noite, pois eu não consigo esquecer você' — em uma vibe que lembra Whitney Houston/Tina Turner. E então, a terceira parte, "When You Went Away", traz um ritmo desiludido, porém esperançoso. As três faixas representam todo o processo de um relacionamento: a conexão, a solidão e a cura".

"Truth"
“A contribuição de Dodgr veio por meio desse rap grandioso, mas que tinha uma batida não convencional. Muitas vezes minha mente super pop duvidava: 'Bem, eu não sei. Será que precisamos de mais alguma coisa? Qual é o verso?’. Então, Diana Gordon interveio e disse: 'Vocês estão loucos. Este movimento está incrível. Não se preocupe com os pormenores, a vibe está uma delícia'. Ela criou a melodia para a parte do refrão, o que foi maravilhoso. E a Alicia Keys nos ajudou a concluir".

“Nothing Breaks Like a Heart” (feat. Miley Cyrus) “Fazia muito tempo que eu queria trabalhar com a Miley. Eu provavelmente enviei ideias para ela durante uns quatro anos seguidos. Às vezes ela respondia, às vezes não. Ilsey tinha a sementinha dessa ideia germinando, e eu pensei: 'A Miley seria a pessoa perfeita para isso’. Bem, ela só me responde de vez em quando, mas vamos tentar a sorte. E dessa vez, ela topou e escreveu o resto da música".

"True Blue" (feat. Angel Olsen)
"Eu provavelmente escutei o último álbum de Angel Olsen um milhão de vezes. A primeira vez que ouvi, eu estava em uma aula de Pilates e escutei a música que tocava na sala ao lado. Não pude aguentar e fui perguntar para o instrutor de dança que música era aquela. Angel me enviou uma mensagem de áudio com a melodia. Foi incrível. Ela cantava em sua casa acompanhada por um órgão, e soava como se fosse uma ária ou como um canto de sereia dos anos 30. Eu só me lembro de pensar: 'Poxa, se ela me deixasse colocar uma batida de bateria por trás disso, seria como o ABBA tomando sedativos ou algo do tipo'. No primeiro dia que ela veio no estúdio, me olhava, provavelmente pensando que eu fosse algum impostor. Parece um pouco com o ABBA produzido por Nick Lowe tomando sedativos”.

"Why Hide"
"Esta foi a última coisa que colocamos no álbum. Diana Gordon fez parte de todo o processo criativo e ela é uma pessoa adorável. Sua voz é maravilhosa, etérea e fascinante— fragmentada e poderosa ao mesmo tempo. Algo que varia entre o downtempo de Aaliyah e Massive Attack".

"2 AM"
“Este é o contraponto de 'Late Night Feelings', outra faixa com Lykke que escrevemos quando estávamos no estúdio de Rick Rubin, em Los Angeles, Shangri-La. 'I'm not your lover but we're making love/Why are you only calling me at 2 a.m.?' (‘Eu não sou sua amante, mas estamos fazendo amor / Por que você só está me ligando às 2 da manhã?). Não estou acostumado a colocar baladinhas em meus trabalhos. Enquanto DJ, eu me pergunto quem é que gosta de escutar baladas? Mas eu aprecio quando elas são divertidas do começo ao fim e esta se encaixa muito bem no álbum."

"Spinning" 
“Existem várias músicas agitadas que convidam a dançar, mas já que a desilusão é o tema predominante, eu imaginei que seria bacana ter uma luz no fim do túnel. Lykke canta - o fim - e ela traz de volta o refrão da música de abertura. YEBBA ouviu, ficou comovida e me disse que queria cantar a respeito disso. E então ela criou belas harmonias de coral, no estilo que ela fez para o Chance the Rapper. Eu estou muito contente que este trabalho seja lançado com Ilsey, Lykke e YEBBA, já que elas têm um papel tão importante no álbum".

NOTAS DOS EDITORES

O produtor e DJ Mark Ronson conta sobre a essência de seu quinto álbum para o Apple Music: "Honestidade, desgosto, amor, luxúria e euforia: esses conceitos estão em muitas músicas que eu amo, mas nunca foi algo que tentei em meus próprios trabalhos. Quando mergulho no universo de outros artistas, seja lá quem for — Queens of Stone Age ou Gaga, começo a trabalhar profundamente, mas meus próprios álbuns são normalmente material de colecionador ou feitos para animar as pistas de dança”. Mas, logo após uma separação, Ronson conseguiu reunir novamente um elenco típico de colaboradoras, incluindo Miley Cyrus, Lykke Li e Alicia Keys, para realizar sessões em Nova York e Los Angeles abordando temas pessoais que, em álbuns anteriores, teriam passado batido. "Foi a primeira vez em que eu me vi impossibilitado de me esconder atrás de um conceito", disse ele. “Não, não, você terá que se colocar na música agora”. Confira as histórias por trás de cada faixa.

 "Late Night Prelude"
“Para manter a minha própria sanidade, todo trabalho que realizo tem que ter um posicionamento, algo grandioso, que seja capaz de englobar o álbum todo. David Campbell, o arranjador de cordas, criou este belo arranjo inspirado na Love Unlimited Orchestra, de Barry White - um pouco mais lento e psicodélico, que começa logo em..."
 
 "Late Night Feelings" (feat. Lykke Li)
"Essa foi a primeira música que floresceu e que realmente parecia estar apontando o caminho para o tema do álbum. Comecei a trabalhar com uma escritora chamada Ilsey Juber, que conheci através do Diplo. Ela concebeu o primeiro verso, nessa pegada melódica. Então, quando considerávamos quem deveria cantá-la, ela disse: ‘Acho que Lykke se encaixaria perfeitamente.' Ela estava finalizando o álbum da artista, So Sad So Sexy. Na verdade, Lykke apareceu com aquela letra; eu adorei o nome do álbum pois, em vez de chamá-lo de Club Heartbreak entre outras coisas que estávamos sugerindo, sentimentos noturnos são mesmo capazes de lhe tirar o sono. Pode ser desgosto, luxúria, amor, o Brexit, ou qualquer outra coisa".

"Find U Again" (feat. Camila Cabello)
"Há dois anos atrás, quando eu estava trabalhando com Kevin Parker e fazíamos parcerias com DJs em alguns shows, estávamos brincando com alguns conceitos e ele tinha essa ideia de melodia e os acordes. Quando não conseguimos concluir nossas experimentações, já que ele estava voltando para Perth para trabalhar no álbum do Tame Impala, eu perguntei se podia terminar a música e usá-la em meu álbum. Era uma ideia tão grandiosa e forte que eu queria guardá-la até que eu encontrasse a pessoa perfeita para ela - Camila Cabello. Ela é uma grande estrela pop, e eu às vezes pensava 'Ah, essa galera não vai querer trabalhar comigo'. Mas, mesmo assim, eu enviei uma faixa para ela, e ela adorou. Ela foi no estúdio e escreveu a letra. Eu fiquei muito impressionado com a seriedade que Camila trabalhava e a sua dedicação em cada tomada. Geralmente na música pop, as pessoas cantam o refrão uma vez e depois o repetem umas três vezes".

"Pieces of Us"
"King Princess trabalha na Zelig (a gravadora de Ronson) e ela faz de tudo um pouco. Eu aparecia de vez em quando e dava minha opinião, mas ela é de poucas palavras. Ela faz algo muito especial: música levemente emotiva, sonhadora, etérea, pegando mais leve na bateria e no ritmo. Eu queria preservar isso; foi provavelmente o tempo mais longo que eu já esperei para fazer o arranjo de bateria e de baixo em uma música. Ela continuava me trazendo várias músicas, já que ela é muito inteligente, prolífica e capaz de escrever uma boa música em sete minutos. E eu tinha que agir como um pai exigente: 'Ainda não está bom o suficiente, continue trabalhando'. Este álbum precisava tender um pouco para o lado emocional, entende?"

“Knock Knock Knock”/“Don't Leave Me Lonely”/“When U Went Away”
“Essas são todas músicas da YEBBA. Nos próximos dois anos, quando todo mundo descobrir seu trabalho, vai ser uma loucura. Eu adorei a ideia de lhe dar espaço para que tivesse sua própria trilogia no álbum: 'Don't Leave Me Lonely', que talvez seja o núcleo emocional da obra, está entre esses dois interlúdios que contam uma história: 'Knock Knock Knock' é a música de conexão, tem um pouco de flerte. Don't Leave Me Lonely’ vai na levada romântica 'Não me deixe sozinho esta noite, pois eu não consigo esquecer você' — em uma vibe que lembra Whitney Houston/Tina Turner. E então, a terceira parte, "When You Went Away", traz um ritmo desiludido, porém esperançoso. As três faixas representam todo o processo de um relacionamento: a conexão, a solidão e a cura".

"Truth"
“A contribuição de Dodgr veio por meio desse rap grandioso, mas que tinha uma batida não convencional. Muitas vezes minha mente super pop duvidava: 'Bem, eu não sei. Será que precisamos de mais alguma coisa? Qual é o verso?’. Então, Diana Gordon interveio e disse: 'Vocês estão loucos. Este movimento está incrível. Não se preocupe com os pormenores, a vibe está uma delícia'. Ela criou a melodia para a parte do refrão, o que foi maravilhoso. E a Alicia Keys nos ajudou a concluir".

“Nothing Breaks Like a Heart” (feat. Miley Cyrus) “Fazia muito tempo que eu queria trabalhar com a Miley. Eu provavelmente enviei ideias para ela durante uns quatro anos seguidos. Às vezes ela respondia, às vezes não. Ilsey tinha a sementinha dessa ideia germinando, e eu pensei: 'A Miley seria a pessoa perfeita para isso’. Bem, ela só me responde de vez em quando, mas vamos tentar a sorte. E dessa vez, ela topou e escreveu o resto da música".

"True Blue" (feat. Angel Olsen)
"Eu provavelmente escutei o último álbum de Angel Olsen um milhão de vezes. A primeira vez que ouvi, eu estava em uma aula de Pilates e escutei a música que tocava na sala ao lado. Não pude aguentar e fui perguntar para o instrutor de dança que música era aquela. Angel me enviou uma mensagem de áudio com a melodia. Foi incrível. Ela cantava em sua casa acompanhada por um órgão, e soava como se fosse uma ária ou como um canto de sereia dos anos 30. Eu só me lembro de pensar: 'Poxa, se ela me deixasse colocar uma batida de bateria por trás disso, seria como o ABBA tomando sedativos ou algo do tipo'. No primeiro dia que ela veio no estúdio, me olhava, provavelmente pensando que eu fosse algum impostor. Parece um pouco com o ABBA produzido por Nick Lowe tomando sedativos”.

"Why Hide"
"Esta foi a última coisa que colocamos no álbum. Diana Gordon fez parte de todo o processo criativo e ela é uma pessoa adorável. Sua voz é maravilhosa, etérea e fascinante— fragmentada e poderosa ao mesmo tempo. Algo que varia entre o downtempo de Aaliyah e Massive Attack".

"2 AM"
“Este é o contraponto de 'Late Night Feelings', outra faixa com Lykke que escrevemos quando estávamos no estúdio de Rick Rubin, em Los Angeles, Shangri-La. 'I'm not your lover but we're making love/Why are you only calling me at 2 a.m.?' (‘Eu não sou sua amante, mas estamos fazendo amor / Por que você só está me ligando às 2 da manhã?). Não estou acostumado a colocar baladinhas em meus trabalhos. Enquanto DJ, eu me pergunto quem é que gosta de escutar baladas? Mas eu aprecio quando elas são divertidas do começo ao fim e esta se encaixa muito bem no álbum."

"Spinning" 
“Existem várias músicas agitadas que convidam a dançar, mas já que a desilusão é o tema predominante, eu imaginei que seria bacana ter uma luz no fim do túnel. Lykke canta - o fim - e ela traz de volta o refrão da música de abertura. YEBBA ouviu, ficou comovida e me disse que queria cantar a respeito disso. E então ela criou belas harmonias de coral, no estilo que ela fez para o Chance the Rapper. Eu estou muito contente que este trabalho seja lançado com Ilsey, Lykke e YEBBA, já que elas têm um papel tão importante no álbum".

TÍTULO DURAÇÃO

Mais de Mark Ronson